Introdução

Como faço em todos os posts, a trilha sonora desse post é da cantora Banks. Escrevo também enquanto desço minha querida serra de Petrópolis, num agradável frio de 8 graus.

Algumas pessoas já haviam me pedido para falar um pouco sobre como foi o processo seletivo e como é trabalhar na globo.com, eu demorei um pouco para escrever esse post, pois queria capturar o máximo de coisas possíveis e também esperar um tempo suficiente para que eu pudesse analisar tudo.

Pretendo fazer um post simples, com as minhas experiências, mas isso não quer dizer que tudo que aconteceu comigo, acontece com quem é contratado ou passa pelo processo seletivo, são só as coisas que ocorreram comigo.

P.S.: também esperei os 3 meses de experiência antes de escrever, vai que me demitem né? Meu time me zoava todo dia sobre isso xD

Contatos

Eu trabalhava no Queremos, um lugar muito legal, com várias pessoas legais e uma ideia incrível. A empresa fica no Humaitá, bairro da zona sul do Rio de Janeiro. Como eu sou de uma cidade serrana, bastante afastada, não tinha muitos contatos, mas quando desci para trabalhar no Queremos, acabei conhecendo muitas pessoas e uma delas foi o Davidson Fellipe.

Conversa vai, conversa vem, ele perguntou se eu um dia não teria interesse em trabalhar na globo.com. Na hora eu fiquei receoso, porque a gente ouve sempre que os caras que trabalham na globo.com são todos gênios (e são mesmo!) e eu, um pobre iniciante nesse ramo de desenvolvimento, achava que nunca iria passar, mas falei que tinha interesse sim.

Não deu muito tempo e entraram em contato comigo, perguntando se eu teria interesse de participar do processo seletivo. Eu fiquei meio bolado e fui conversar com o Davidson sobre, ele falou para eu tentar, que não custava nada e ele acreditava bastante em mim. Como eu realmente não tinha nada a perder e queria saber meu nível, aceitei passar pelo teste.

Processo Seletivo - Parte 1

Ao aceitar participar, recebi um projeto com várias coisinhas para fazer e que eu deveria entregá-lo no tempo que eu desejasse. Me pegaram numa semana complicada, onde estava cheio de coisas para fazer, mandei um email avisando sobre isso e foram totalmente tranquilos quanto a isso, falando para eu não me preocupar. Mas como sou um cara desesperado e preocupado por natureza (um defeito que venho tentando corrigir), peguei uma madrugada desesperada e fiz tudo. Não era nada super difícil não, mas possuía alguns detalhes interessantes e podia fazer com qualquer linguagem e stack. Eu escolhi fazer em Javascript, usei uma stack que já estava bastante habituado a usar, que é o meu Fast.

Passou por volta de 1 semana até eu receber uma resposta, que no caso foi positiva. Disseram que gostaram do que eu fiz e tinham interesse em fazer um entrevista agora por Skype e marcaram um dia comigo.

Processo Seletivo - Parte 2

Do dia que marcamos até o dia da entrevista no Skype, eu estava uma pilha de nervos, como sempre preocupado achando que não iria passar, me rebaixando. Dessa vez, foi a hora de conversar com um outro amigo que já estava na globo.com também, mas que já havia trabalhado no Queremos comigo, Rodrigo Machado. Ele falou que eu podia ir para o apartamento dele ficar lá para a entrevista, para assim não me atrasar para o trabalho depois, eu ainda descia a serra de Petrópolis todos os dias.

Na hora que iria ter o teste, não teve! Isso mesmo que você leu, eu fiquei desesperado para caramba, nem tinha dormido direito e aí o teste precisou ser cancelado devido a alguns problemas. Ele foi então remarcado para uma outra data. Foi desse dia que eu resolvi que deveria parar de ficar tão preocupado/desesperado. Eu já trabalhava num lugar legal, não haveria problema se eu não passasse também, era só um teste.

Quando finalmente chegou o dia do teste no skype, alguns programadores do TechTudo conversaram comigo, perguntaram um pouco do meu histórico, projetos que eu tinha orgulho de ter participado, coisas interessantes que eu gostaria de contar, etc. Curiosamente eu estava bem relaxado, a conversa fluiu super bem e falei para caramba (sim, eu falo demais!!!).

Após a conversa, falaram que iriam fazer alguns testes comigo. Os 2 primeiros testes eram para escrever pequenos programinhas para resolver alguns problemas, resolvi fazer um em javascript e o outro em python. O primeiro problema eu demorei até começar, dei uma travada bonita, aquela preocupação de fazer algo com geral vendo do outro lado. O segundo já foi bem mais tranquilo e saiu mais fácil. Depois destes 2 problemas, me passaram acesso a um web app, para eu fazer a correção de pequenos trechos de código em Javascript. Não eram erros de sintaxe e sim erros de performance, como manipulação de DOM dentro de um loop, entre outros problemas graves. Essa parte já foi bem mais simples para mim, já que gosto bastante de performance e já havia visto aquelas falhas de performance, inclusive em códigos mais velhos meus.

Depois de tudo feito, falaram que gostaram bastante, mas que iriam analisar um pouco mais e entrariam em contato para me avisar se eu passei e a próxima etapa.

Processo Seletivo - Parte 3

Passado uma semana, recebi um email avisando que haviam gostado bastante do meu teste, que eu havia passado para a próxima etapa e que ela consistia em passar um dia na globo.com.

Eu já havia sido avisado que teria essa etapa, mas na hora que recebi o aviso real, fiquei mega feliz, conhecer uma empresa bastante grande e que todos falam! Marcamos um dia e, é claro, fiquei super ansioso até o dia chegar. Mal dormi naquele dia, acordei extremamente cedo para descer a serra e não ter problemas de atraso. Cheguei lá com quase 2 horas de antecedência e nesse meio tempo acabei escrevendo um post, de curiosidade fui ver que horas eu comecei a escrever o post:

“Como ter Domínio Proprio no Github Pages” date: 2015-01-29 04:16:36. Sim, eu praticamente não dormi!!

Após a espera, entrei e fui apresentado a algumas pessoas e guiado por dentro da globo.com. Para quem vinha de uma startup com umas 8-9 pessoas, foi um grande baque, tem muita gente lá dentro! Vários times de diferentes áreas, isso porque eu só tinha visto um andar, depois fui apresentado ao andar inferior, com mais um monte de gente também.

Pela manhã tive uma conversa com um dos times de Esportes, basicamente a mesma coisa que tive no Skype, só que agora presencial. Finalizando a conversa, me passaram um probleminha para resolver. Foi uma das piores soluções que eu fiz na vida, tanto que nem finalizei direito, fiquei bastante nervoso e frustrado… Me pediram para explicar o código e enquanto eu explicava, fui tendo outras ideias e fui explicando o motivo de ter pensando em outras coisas e acho que isso que me ajudou, porque eles viram que eu até que sabia, mas estava nervoso.

Na parte da tarde conversei com o time do TechTudo, falei um pouco sobre o problema que eu estava resolvendo e também sobre outras coisas que eles iam me perguntando. A conversa foi super legal e com isso adquiri até contato com o Igor Canedo e simpatia com o resto do time. Depois dessa conversa, fui ter uma conversa um pouco mais técnica com o Gerente Técnico, falamos sobre muitas coisas e ele também me propôs 2 problemas mais teóricos para eu dizer como faria a arquitetura do sistema para comportar esses 2 problemas, indo de banco de dados, até número de requisições a uma API. Não foi totalmente técnico, mas também não foi tão fácil, mas consegui expor vários pontos que ele gostou.

Já no finalzinho da tarde, conversei com o pessoal do RH, sobre benefícios da empresa e outras coisas mais burocráticas e então dei tchau para todos, com pelo menos a sensação de dever cumprido. Dali era só esperar a resposta, mas que já nem era a mais importante das coisas, já que eu estava feliz de ter participado de tudo.

Contratação

Deu uns 2-3 dias e me ligaram falando que eu havia passado! Fiquei mega feliz, mas sabia que agora seriam várias mudanças. Disse que aceitava sim, mas que primeiramente precisava me desvincular da empresa em que trabalhava e conversar com eles, para não causar nenhum problema para eles. Conversei com o pessoal da empresa, alguns ficaram chateados, mas como todos são legais, me desejaram boa sorte nesse meu novo rumo.

Conhecendo meu novo time

Ao chegar na globo, já para trabalhar. Fui apresentado ao meu novo time, que seria o Time 1 de Esportes, um dos responsáveis pelo globoesporte. Acho que eu não poderia ter caído num melhor time (puxando saco =p). Meu time é relativamente pequeno e é composto por:

Kenji Yamamoto, não tem aquela frase: “você pode ser bom, mas sempre vai ter um asiático melhor do que você”, então…O cara é sinistro em milhares de coisas, brincamos até que ele é o pau para toda obra do time. Sempre com uma calma nipônica e um conhecimento tanto de linguagem quanto de produto (por já estar há quase 10 anos na globo.com), sempre me ajuda nas minhas dúvidas, por mais bobas que elas sejam.

Rômulo Jales, é um cabra da peste arretado, lá de Pernambuco, é o cara do Backend. Parece que respira programação e sempre te dá uma solução para um problema. Profundo conhecedor de Python e também um grande conselheiro e amigo. Não tem nem muito tempo que o conheço, mas já me acolhe e me ajuda como se nos conhecessemos há anos.

André Cataldo, o SM (Scrum Master) do time. Sempre preocupado com o time e o andamento dos projetos, atento para nos ajudar e nos atender em nossos problemas. Sabe como ser justo e comemorar uma conquista. Também um dos caras mais experientes da globo.com, com quase 14 anos só lá dentro, sendo que a globo.com fez 15 anos esse ano!

Dia-a-dia no globoesporte

No globoesporte trabalhamos com uma variação do método ágil chamado Scrum. Com isso temos nossos Plannings Semanais e Dailys, usando uma board para anotar nossas histórias, sempre na base (To Do, Doing, Done), com algumas coisinhas a mais, que variam de time para time.

Existem projetos só para o produto (esportes ou jornalismo ou entretenimento), mas também existem os projetos integrados a todas as áreas, em geral, nesse tipo de projeto, são feitas várias reuniões para entender as necessidades de cada um, para que assim a construção seja adequada a todos.

Dentro da globo, os projetos, em sua maioria, são feitos em Python/Django, mas também já vi coisas em Ruby, outras em Go e algumas áreas mais legadas usando Java. A preocupação é sempre em solucionar o problema de forma eficiente e útil para todos, então as linguagens e frameworks utilizados não são fixos, podendo variar bastante.

Prezamos muito pela comunicação, tanto dentro do time como em outras áreas também. Como o Rômulo Jales diz: “Não existe desenvolvimento sem comunicação”.

A empresa é bastante legal e as pessoas são ótimas, semana passada eu pude participar do meu primeiro HackDay na globo e foi super divertido! Meu time desenvolveu um bolão bolado, utilizando a API do Tempo Real do globoesporte, para dar os resultados durante a Copa América.

Dava para ver na galera a animação e empolgação nos projetos, pelo que falaram foi um recorde de pessoas participantes e de projetos desenvolvidos, muitos deles eu queria ter participado, de tão legais que eram.

Mudança e Conclusão

Bom, como disse lá no início, apesar de eu ser do Estado do Rio de Janeiro, sou de uma cidade serrana, chamada Petrópolis, que é cerca de 2:30 da globo.com (isso já contando o trânsito que sempre existe). Esse processo de subida todo dia, gastando cerca de 5h era muito cansativo. Mesmo indo num ônibus confortável e “dormindo” boa parte do trajeto, eu precisava acordar bastante cedo. Foi aí que resolvi me mudar para mais próximo do trabalho, é claro que toda mudança é cansativa e estressante também, mas já venho notado os benefícios de fazer isso. Então, se você é de longe, não tenha medo de se mudar, a empresa é legal e tenho certeza que você será bem acolhido.

Se você tem interesse, não tenha medo de tentar e basta enviar seu currículo no github da globo.

Uffa, escrevi demais já! Enfim, espero que tenha respondido a maioria das dúvidas que me fizeram nesse tempo e caso queiram comentar mais alguma coisa, só falar nos comentários.