Introdução

Fala pessoal, em comemoração a incrível marca de mais de 50 mil alunos na Udemy, eu resolvi fazer um post bem completo sobre esse assunto que pode ser bem interessante para quem também tem o desejo de passar seu conhecimento adiante.

Há cerca de 4 meses, eu fiz uma palestra para a rede de freelancers da Toptal, explicando exatamente sobre esse assunto e aí vou tentar transcrever basicamente o que eu falei nessa palestra. Lá teve uma sessão de perguntas e respostas, que vocês podem e devem fazer através dos comentários okay =)

O post é grande, então provavelmente eu vou ouvir mais coisas, mas no momento estou ouvindo o primeiro album da banda Greta Van Fleet, um som que lembra muito Led Zeppelin, eu já falei uma vez dessa banda, mas precisava falar de novo agora que lançaram esse album, eles são espetaculares!

Índice

Razões para criar um curso online

Bom, existem diversas razões para lançar um curso online, vou passar alguns pontos que mais acho válidos, mas é claro que você pode incluir mais coisas.

Aprendizado Exponencial: quando você está ensinando você também está aprendendo. Costumo dizer que o momento que eu mais estudo um assunto é quando eu quero ensinar, seja num post ou num curso. Porque você precisa pensar desde a parte mais básica até a mais avançada. E, com isso, você vai sempre se aprofundar mais no assunto e tentar torná-lo de mais fácil entendimento.

Ganho de novas habilidades: ao gravar um curso de programação, você aprende mais daquela tecnologia, mas não só isso! Você vai acabar aprendendo como gravar a tela corretamente, como editar o vídeo, editar som, escrever e organizar conteúdo. No final, você não é só mais um programador, mas uma pessoa com múltiplos conhecimentos =)

Devolver a comunidade: ao fazer cursos, sejam eles pagos ou gratuitos, você está pegando seu conhecimento e permitindo que ele seja compartilhado por outras pessoas e isso é uma coisa incrível!

Conquistas financeiras: não estou dizendo que você vai ficar rico (alguns até conseguem isso), mas só de ganhar um dinheiro inesperado já é uma coisa legal. E o mais legal disso, é saber que pessoas valorizam seu conhecimento e querem pagar por ele.

Ganhos passivos: após ter um curso consolidado, você pode ser chamado para fazer freelas ou até cursos presenciais, o que acaba te garantindo outros ganhos até externos aos cursos.

Princípios para um bom curso online

Então, como vimos acima, existem várias razões para se fazer um curso online e por isso, muitos cursos são lançados dia após dia. Só que existe um porém nisso, muitos cursos são bastante fracos e rasos. Então o que faz um curso ser bom?

Tópico Original: esse pode ser um assunto meio que polêmico, pois existem 6 milhões de cursos de React por aí, como exemplo. Mas se o seu tópico for mais específico/original, você acaba se destacando em relação aos concorrentes e isso é bastante importante.

Boa qualidade de vídeo e som: muitas pessoas desistem do curso já de cara se ele possuir muitos ruídos ou imagem ruim. Num mundo onde temos TVs 4K e som digital de alta qualidade, é praticamente inaceitável que o curso tenha qualidade baixa. Mas também não se assuste nesse tópico, você não precisa também ter uma qualidade de estúdio bizarra de início, você pode ir melhorando aos poucos. Me usando como exemplo, meus primeiros cursos tem uma qualidade bem abaixo do que hoje, mas isso é até mesmo pois eu estava iniciando. Uma dica que pode servir de início, faça um mini-curso gratuito, até mesmo para testar sua audiência e ver se você está agradando e a partir daí, vá fazendo melhorias.

Bem organizado e num ritmo adequado: ninguém quer fazer um curso onde o professor não explica de onde aquilo veio ou que simplesmente pula mil coisas já achando que você entende tudo. Um bom curso, é aquele que vai evoluindo gradativamente, num ritmo que dá para ser acompanhado e de uma forma que o aluno veja sua própria evolução.

Planejando o curso

Essa talvez seja a parte mais “complicada” de todo o curso, mas se você conseguir o planinho abaixo, ficará bem mais fácil.

  1. Defina o escopo do seu curso - o que você quer ensinar no curso?
  2. Com o tema em mão, separe o curso em tópicos grandes, esses irão funcionar como seus módulos.
  3. Em cada módulo, separe nas partes pequenas, que vão ser suas aulas.
  4. Para cada aula, separe conteúdos extras e/ou exercícios se necessários.

Vamos agora na prática, para ficar um pouquinho mais fácil de entender. Digamos que você quer fazer um curso chamado “Desenvolvimento Web para Iniciantes”. Primeiro precisamos fazer a separação dos blocos maiores (módulos), que poderia ser algo como:

Dentro de cada tópico, podemos ter aulas direto, por exemplo:

Mas você também pode granularizar mais os tópicos também. Como, por exemplo:

Ou seja, pegamos o tópico principal que é HTML e quebramos ele outras pequenas partes e dentro dessas, colocamos as aulas.

Repare que de início, é muito possível que você acabe esquecendo um assunto ou outro, mas não tem problema! Tudo pode ser mudado/adicionado antes de se publicar um curso!

Minha dica é que você monte um curso como se fosse seu plano de estudos. Pense que é você quem estará aprendendo aquilo ali e então, eu tenho certeza que você vai achar uma organização muito boa. A empatia é a melhor arma para um bom instrutor.

Produzindo o curso

Eu vou separar essa parte de produção em alguns pedaços, pois acho que vai facilitar e também fazer muito sentido.

Detalhes técnicos e qualidade

Como dito no início, um dos princípios de um bom curso, é que ele tenha uma boa qualidade. E para isso, algumas regrinhas são bem necessárias:

Os vídeos devem ser entre 2 a 20 minutos: não estou dizendo com isso que um vídeo não possa ser um pouco maior ou menor, mas é comprovado que vídeos muito grandes se tornam cansativos de assimilar e consequentemente os alunos desistem mais facilmente. A sensação de recompensa por ter terminado 4 vídeos de 5 minutos e maior do que ao terminar um vídeo único de 20 minutos. Pensando nisso, sempre tente cortar seus vídeos para que eles se encaixem em tempos menores, isso facilita demais para o aluno, até mesmo para uma possível conferência do dia-a-dia.

Os vídeos precisam ser gravados em pelo menos HD: num mundo onde temos telas 4k e até mesmo os celulares já possuem alta resolução, não vale gravar vídeos com qualidade menor que HD, pois pode ficar até difícil de o aluno enxergar algo. O mais recomendado é que se possível seja em fullHD (1080p).

Use textos grande o suficiente para serem lidos em qualquer dispositivo: cada vez mais as pessoas estudam através dos seus celulares e com isso, nós precisamos ficar atentos para usar fontes que facilitem a leitura nesses displays. Eu sei que nem sempre poderemos fazer isso, principalmente quando se tratar de muito código, mas faça alguns testes para chegar num tamanho agradável.

Audios devem sair dos 2 canais e sem ruídos: a coisa mais horrível do mundo é você botar para ouvir algo e sair só de um lado, a primeira coisa que vai acontecer é aquele desespero “meu deus, meu fone estragou” e seguido disso vai ser “que merda de curso, nem para sair som dos 2 lados”, então fique atento nisso. A outra coisa é que ruídos atrapalham muito, as vezes pode sair algum barulho leve ou até mesmo a digitação do teclado, mas fique atento para cortar qualquer coisa extra a isso, nada de outras falas, latidos e carros passando.

Entrega do Instrutor

Esse é um tópico extremamente importante também e dentro dele, existem alguns pontos necessários para falar:

Dicas de Softwares

Existem milhares e milhares de softwares por aí, eu vou colocar aqui os que conheço/uso como forma de lhes ajudar como um guia inicial.

Meu passo-a-passo ao gravar um curso

Com base nos programas que uso e na organização do curso, eu sigo os seguintes passos:

  1. Escrevo o código que vou ensinar / monto slides
  2. Faço um treino sozinho sem gravar (somente para ver pontos de atenção)
  3. Gravo o vídeo (se errar durante o vídeo, dou uma pausa e continuo antes do erro e deixo o vídeo assim bem cru)
  4. Recorto as partes dos erros, tempos de download, pausas grandes
  5. Separo o audio do vídeo e edito no Audacity (equalizo o som e removo ruídos)
  6. Sincronizo o audio com o vídeo
  7. Adiciona vinheta inicial, marca d’agua ou qualquer coisa externa
  8. Exporte na melhor resolução possível
  9. Comprimo o vídeo usando o Handbrake para ter um tamanho menor
  10. Faço backup desse vídeo (SEMPRE FAÇA BACKUPS!)
  11. Faço o upload para a plataforma
  12. Adiciono descrição e links caso necessário

É bem normal que eu faça somente as etapas de 1 a 3 e então faça toda a etapa de pós-produção de todos os vídeos depois. Isso vai variar da quantidade de vídeos que planejo gravar/editar no dia.

Publicando o seu curso

Depois de montado e gravado o curso, precisamos de uma outra etapa extremamente importante, que é: “Onde vou publicar meu curso?”.

Basicamente existem 3 opções:

Dentre esses tipos, temos algumas opções:

Self-hostings:

Marketplaces:

E para cada uma dessas opções, nós temos as vantagens e desvantagens.

Self Hostings

Vantagens:

Desvantagens:

Marketplaces

Vantagens:

Desvantagens:

Minha opinião

Os Marketplaces como a Udemy são bons para pessoas que não possuem nenhum pública, ou seja, estão começando do zero, pois lá eles já vão ter um alcance para a base da própria Marketplace. Outro ponto importante é que as pessoas não precisam de ter um capital inicial para começar, visto que já está tudo pronto e não é necessário pagar nada por isso.

O Self-hosting é melhor para pessoas que já possuem um público ou que sejam excelentes com publicidade, um exemplo de pessoa que faz assim é o Wes Bos, mas ele fez parcerias com mil lugares e todo mundo acabou conhecendo ele. Precisa lembrar que nesse caso, é necessário já ter um capital legal, pois você precisa pagar servidores, campanhas de publicidade e outros pequenos detalhes também.

Meu histórico

Eu cheguei a usar a Teachable que é uma plataforma de Self-hosting onde eu pagava bem menos taxas, mas após pedidos de muitos alunos, eu resolvi fazer a migração para a Udemy. Posso dizer com 100% de certeza que minhas taxas só aumentaram, hoje já tenho mais de 50 mil alunos e muito disso é graças ao marketing pesado que a Udemy faz.

É claro que os preços são bem complicados e as vezes a gente se sente um pouco prostituído com isso, afinal de contas é algo que dá muito trabalho, mas acaba sendo vendido por R$ 19,99. Só que precisa se pensar em duas coisas:

Sobre feedbacks

Depois de publicado o curso, está na hora de vender os cursos e receber os feedbacks dos alunos. E essa parte também é muito importante estar preparado! Existem alguns tipos de feedback aqui:

Presente Surpresa!!

Se você leu até aqui, tenho uma surpresa que acho que vai ser bem legal para você! Estarei liberando aqui 20 cupons para cada curso meu, totalmente grátis! Se for rápido, é só clicar no curso desejado e pegar seu curso =)

Conclusão

Bom pessoal, espero que esse post seja interessante para vocês, mesmo que vocês não tenham interesse em criar um curso, mas para saberem como que funciona por trás. Existe muito trabalho até sair um curso fresquinho para vocês, mas é sempre um trabalho bem gratificante, quando a gente recebe mensagens de apoio e agradecimento.