Introdução

Dando continuidade aos posts sobre performance, hoje vai ser um post bem simples e rápido. As vezes é bom ler algo rapidinho, mas que seja útil.

Enquanto escrevo, vou ouvindo a minha Playlist Top Songs 2017, ou seja, as músicas que mais ouvi ano passado. Pois é, hoje to saudosista.

Uso de fontes

Bem lá no início da web, nós não podíamos ter escolha para fontes, era o que o sistema tinha basicamente (que era bem mal suportado e feio). Depois então vieram as fontes customizáveis, bastava baixar a fonte e colocar na sua pasta de assets, depois usar o @font-face e você podia ter aquele conjunto lindo de fontes que seu site tanto queria!

Com o tempo foram vendo que muitas fontes eram repetidas e até mesmo que alguns usavam essas fontes customizáveis de forma correta e outros não. Foi aí que nasceram projetos como o Google Fonts e o Typekit, que são catálogos com diversas fontes que basta você escolher e eles já servem a fonte para você. O Google gera para você algo como:

<link href="https://fonts.googleapis.com/css?family=Montserrat:400,600,700,800" rel="stylesheet">

Note que você pode inclusive escolher o peso da fonte como 400,600,700,800. Mas conforme vamos escolhendo as fontes, o próprio Google vai avisando se é leve ou pesado.

Imagem do Google Fonts, mostrando um Load Time: Slow

Será que vale a pena então carregar fontes pesadas no seu site? Em alguns sites realmente não é possível largar a mão de alguma fonte, já que tem marcas que são feitas todas em cima de alguma tipografia. Mas se você puder fazer essa escolha, por que não?

Use fontes que o usuário já está acostumado

Nos últimos tempos os sistemas trabalharam e evoluíram muito nas suas fontes. A Google tem feito um trabalho legal com a Roboto, a Apple tem trabalhado na San Francisco e a Mozilla também tem sua Fira Sans. E a Microsoft? Ela também! Desde a interface Metro a Microsoft trabalhou muito na fonte deles, fortemente inspirada na Segoe.

E pense comigo, o usuário já passa o dia inteiro usando interfaces com essas fontes, por que mudar isso? Minha preocupação no blog é exatamente com a leitura, então não quero ficar mudando o comportamento do leitor.

E como o nome já diz, as fontes são do sistema e com isso, não é necessário carregar nem 1Kb a mais por isso, quer algo melhor que isso?

Como usar as fontes do sistema?

Apesar de parecer ser super simples, não é tãaao assim também. Você precisar tomar cuidado na ordem das fontes, até para não receber resultados indesejados. O Github utiliza o seguinte approach:

body {
  font-family: -apple-system, BlinkMacSystemFont, "Segoe UI", Roboto, 
      Helvetica, Arial, sans-serif, "Apple Color Emoji", "Segoe UI Emoji", "Segoe UI Symbol";
}

E o Medium/Wordpress fazem umas pequenas mudanças e usam:

body {
  font-family: -apple-system,BlinkMacSystemFont,"Segoe UI",Roboto,
      Oxygen-Sans,Ubuntu,Cantarell,"Helvetica Neue",sans-serif;
}

Nota: esse método só pode ser usado com font-family, não utilize como font, pois poderá resultar em estilos inesperados.

Conclusão

Como venho me preocupando com performance, posso dizer que a remoção de fontes customizáveis já resultou num ganho muito grande de velocidade, então, se você tiver essa oportunidade de usar fontes do sistema, se joga!

É isso, um post leve e simples hoje, mas não menos importante. Continue ligado que muitos posts sobre performance ainda vem por vir! Vem coisas sobre PWA, acessibilidade e mais!